sábado, 24 de dezembro de 2011

A ESTRELA DO ÓDIO


Uma mulher me olhou como se me odiasse.
Talvez me odeie mesmo, pensei.
E a olhei como se a odiasse.
Talvez a odiasse mesmo.
Então vi homens e mulheres me olhando como se me odiassem
e os olhei como se os odiasse. Nós nos odiávamos.
Mas por que não podemos nos olhar como quem ama?
É o ódio que move o mundo, é o ódio que move o mundo.


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

MARCAS


Os meus pés deixaram marcas na areia,
os meus pés deixaram marcas nas pedras do caminho.
A fumaça se espirala das marcas dos meus pés.
Os meus pés queimam como fogo onde pisam.

domingo, 18 de dezembro de 2011

FRATERNIDADE


Chorei quando meu irmão me matou.
            Chorei quando matei meu irmão.
            O meu nome é Abel. O meu nome é Caim.



sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A MISSÃO DAS POMBAS


As pombas arrulham o seu arrulho triste     
pousadas sobre os ombros das estátuas,
depois cagam sobre o capô dos carros,
o nariz das estátuas ou dos homens,
e voam satisfeitas como se essa fosse a sua missão.

Visualizações de páginas da semana passada